Informative Note

New rules applicable to capital operations

21/07/2022
Share

O Banco Nacional de Angola ("BNA") aprovou novas regras (Aviso do BNA n.º 14/22, de 5 de julho de 2022 - o "Aviso") que estabelecem que as operações de capital executadas por pessoas colectivas não estão, agora, sujeitas a aprovação prévia do BNA.

O Banco Nacional de Angola ("BNA") aprovou novas regras (Aviso do BNA n.º 14/22, de 5 de julho de 2022 - o "Aviso") que estabelecem que as operações de capital executadas por pessoas colectivas não estão, agora, sujeitas a aprovação prévia do BNA.

As operações de capital incluem várias operações financeiras, tais como a concessão e reembolso de empréstimos e outros créditos, emissão e resgate de títulos e títulos do governo, aquisição de participações em entidades angolanas, criação de empresas, aquisição de negócios ou propriedades, emissão e execução da maioria das garantias. O Aviso segue a recente tendência do BNA de liberalizar o sector cambial e de assegurar o cumprimento das obrigações por parte dos bancos comerciais, permitindo que estas operações sejam implementadas sem a intervenção do banco central.

Os bancos só devem processar estas transacções quando solicitados pelos clientes, que deverão ter os processos de abertura de conta completos e actualizados, em conformidade com os regulamentos sobre a Prevenção e Combate ao Branqueamento de Capitais, do Financiamento ao Terrorismo e da Proliferação de Armas de Destruição em Massa (“PCBFP”).

Os bancos devem também obter todas as informações necessárias para um conhecimento completo de seus clientes (KYC), que devem ser obtidas periodicamente e pelo menos anualmente:

i) informações financeiras;

ii) confirmação de inexistência de dívidas junto da Autoridade Tributária;

iii) confirmação de inexistência de dívidas em situação irregular registadas na Central de Informação e Risco de Crédito; e

iv) demonstrações Financeiras auditadas ou certificadas por uma entidade independente registada na Ordem dos Contabilistas e Peritos Contabilistas de Angola ou aprovadas pelo Tribunal de Contas, se aplicável.

Ao processar as transacções, a serem realizadas através de transferência bancária, o banco comercial deverá garantir que o beneficiário é a pessoa identificada no contrato subjacente.

Por outro lado, os bancos são também obrigados a fazer uma avaliação da própria transacção (KYB), designadamente:

i) nível de risco atribuído ao cliente nos termos da legislação e regulamentação em vigor sobre a PCBFP;

ii) natureza e dimensão da actividade do cliente e coerência com a finalidade e valor da operação;

iii) origem dos fundos em Kwanza ou moeda estrangeira; iv) historial de operações cambiais efectuadas pelo cliente e coerência com a operação a ser realizada;

v) natureza e dimensão da actividade do beneficiário da operação e coerência com a finalidade e valor da operação, quando a natureza e o valor da operação justificam essa avaliação (não definida no Aviso); e

vi) documentos de suporte à operação.

O Aviso também estabelece a obrigação para as empresas angolanas de repatriar para Angola pagamentos e lucros relacionados com dividendos ou desinvestimentos realizados no exterior, no prazo de 60 dias da sua realização. 

Downloads

Keep up to date

Please note, your browser is out of date.
For a good browsing experience we recommend using the latest version of Chrome, Firefox, Safari, Opera or Internet Explorer.